Como aproveitar a vida em Cefalônia na Grécia


O que fazer com 5 dias livres e uma promoção aérea de última hora?! Se você estiver na Europa dá pra conhecer uma ou até mais ilhas gregas, aprender muita coisa e ainda quem sabe ter um tempinho para descansar. Entre os meses de junho e setembro (alta temporada de verão) a companhia espanhola vueling disponibiliza vários voos para diversas partes da Europa com preços simplesmente inacreditáveis e foi numa destas promoções que encontrei a opção de voar até Cefalônia, a maior das ilhas Jônicas e antigo lar de Ulisses,o lendário rei aclamado na Odisseia de Homero.

A ilha tem como capital a cidade de Argostoli que fica a 10km do aeroporto e onde estão concentrados a maioria dos serviços como hospitais, rodoviária, restaurantes, hotéis e o porto comercial, além de ser o ponto de partida para quem quer conhecer as demais praias de água safira nos seus arredores.

Logo ao chegar no aeroporto é possível entender que para se deslocar pela ilha é preciso alugar um carro ou fazer parte de um grupo de excursão, já que o transporte público por ali é quase inexistente. No entanto não se desespere se estiver fora deste padrão porque com um pouco mais de empenho é possível conhecer alguns dos melhores pontos de Cefalônia até mesmo a pé ou de bike e eu vou contar como…

A melhor opção de hospedagem para quem não quer alugar um carro é a cidade de Argostoli que tem várias opções de hospedagem a preços super econômicos. Eu escolhi o Blue Paradise Studios que fica a poucos metros da praça principal e da beira mar e posso dizer que foi a melhor opção custo-benefício. O táxi do aeroporto até o hotel custou 17 euros e para ir até a praia mais próximo em Lassi custa em média 8 euros.

Blue Paradise Studios em Argostoli.

Blue Paradise Studios em Argostoli.

Rua principal de Argostoli em um Domingo a tarde.

Rua principal de Argostoli em um Domingo a tarde.

Beira Mar de Argostoli onde as tartarugas marinhas de vez em quando dão o ar da graça.

Beira Mar de Argostoli onde as tartarugas marinhas de vez em quando dão o ar da graça.

Em Argostoli não há praias para banho, pois a cidade tem uma espécie de baía onde atracam os barcos e ferrys, mas a cerca de 3 km dali fica a região de Lassi com os seus restaurantes, hotéis e as famosas praias de Makris Gialos, Platis Gialos e Paliostafida. Vou ser sincera em dizer que a paisagem desta praias é deslumbrante, mas a temperatura da água em Makris e Platis Gialos quase me afugentaram da praia de tão fria. Eu estava quase desistindo de entrar na água quando resolvi caminhar mais um pouquinho e foi então que encontrei Paliostafida que fica bem em frente ao Hotel Mediterranee e pude finalmente me jogar pela primeira vez no mar de Cefalônia.

Praia de Platis Gialos com uma super estrutura de praia (a pagamento)

Praia de Platis Gialos com uma super estrutura de praia (a pagamento)

Praia de Makris Gialos um pouco mais tranquila.

Praia de Makris Gialos um pouco mais tranquila.

A minha favorita de águas mais quentinhas: Pa

A minha praia favorita de águas mais quentinhas: Paliostafida

Lá pela tantas, depois de passar quase o dia inteiro na praia, levantei acampamento e segui por uma pequena trilha em direção a Lassi para comprar água e eis que no meio do caminho encontrei um mapa de uma estrada chamada Fanari Road. O mapa dizia que a dita estrada poderia ser feita a pé, de bicicleta ou de carro e eu que naquele momento contava somente com as forças dos pés e da cabeça não pensei duas vezes e resolvi caminhar pela tal estrada para voltar a Argostoli.

Se é pra caminhar então vamos atravessar a Fanari Road.

Se é pra caminhar então vamos atravessar a Fanari Road.

A Fanari Road é uma estrada costeira que liga Lassi a Argostoli e é repleta de paisagens exuberantes, pequenas baías de águas cristalinas e alguns atrativos bem interessantes ao longo do caminho como: o Farol de São Teodoro com seus 8 metros de altura que mesmo depois de ter sido destruído pelo terremoto nos anos 50 continua desempenhando muito bem o seu papel e ainda serve de ponto de encontro para a observação de um pôr-do-sol lindíssimo da ilha e os moinhos de Katavothres onde ocorre uma formação geológica muito curiosa na qual a água passa por uma fenda de 3 metros abaixo da terra e segue um percurso de cerca de 17km pela centro da ilha até ressurgir cristalina no lago de Melissani (da qual falarei mais tarde).

Uma das baías ao longo da Farani Road.

Uma das baías ao longo da Farani Road.

Uma outra baía para chamar de sua.

Uma outra baía para chamar de sua.

Farol de São Teodoro.

Farol de São Teodoro.

Moinhos de

Moinho de Katavothres com farol ao fundo.

Uma parada estratégica no restaurante Vinaries para recarregar as energias antes de chegar em Argostoli.

Uma parada estratégica no restaurante Vinaries para recarregar as energias antes de chegar em Argostoli.

Depois de aproveitar as praias de Lassi e caminhar pela Farani Road faltava ainda conhecer alguns dos melhores atrativos da ilha e foi então que reservei um passeio com a Pamtours (35 euros) em um ônibus repleto de ingleses e com uma guia super simpática que de verdade não parou de falar durante as mais de 7 horas que passamos juntos. Também pudera, começamos o passeio bem cedinho em Lassi e fomos diretamente até o mirante daquela que foi eleita pelos visitantes nos últimos anos como a praia mais linda da ilha e não é pra menos: o contraste da areia branquinha com o azul do mar deixam qualquer um de queixo caído.

Vista panorâmica da praia de Myrthos.

Vista panorâmica da praia de Myrthos.

Uma breve parada para fotografar a fabulosa praia de Myrthos já foi suficiente naquela hora da manhã e o passeio seguiu por entre vales e paisagens bucólicas em meio a plantações de oliveiras e cabras pastando à beira de penhascos até chegarmos na cidade de Assos, um vilarejo encravado em um vale que mais parece o cenário de um filme publicitário de como a vida perfeita deveria ser. Crianças lindas e saudáveis a brincar tranquilamente nas águas cristalinas, casais felizes tomando sol e lendo um livro, jovens e idosos a tomar seus cafés com uma vista privilegiado do mar e tudo isso enquanto uma trupe grava cenas de um comercial para uma companhia aérea grega. Se eu não tivesse visto com meus próprios olhos pensaria até que o vilarejo nem era de verdade, mas um mero set de filmagem estudado e arrumado nos mínimos detalhes.

Paisagem ao longo do caminho até Fiskardo.

Paisagem ao longo do caminho até Assos.

Uma viela em Assos.

Uma viela em Assos.

Rodando as cenas de uma publicidade.

Rodando as cenas de uma publicidade.

Assos sendo Assos.

Assos sendo Assos.

Eu poderia passar o resto do dia ali mesmo, ou quem sabe até uma semana sem reclamar de nada, no entanto o passeio ainda estava longe de acabar. Mais ao Norte da ilha havia uma cidadezinha chamada Fiskardo que nos esperava com seus diversos restaurantes à beira mar e um delicioso almoço com o mais puro e natural aroma mediterrâneo que podemos encontrar na Grécia. Este pequeno vilarejo é muito famoso por ser o ponto de chegada de diversos veleiros e um paraíso dos mergulhadores que vem para estas bandas em busca das belezas profundas do mar zafira de Cefalônia.

Fiskardo.

Fiskardo.

Muitas opções de restaurantes à beira mar.

Muitas opções de restaurantes à beira mar em Fiskardo,

O almoço estava divino, a sobremesa melhor ainda mas o passeio tinha que continuar porque ainda faltava visitar a Caverna de Melissani e Drogarati que ficam próximas à localidade de Sami e ainda fechar o dia com a visita a uma vinícola para provar o Robola, um vinho branco produzido na ilha desde os tempos em que os venezianos  a dominavam e trouxeram para cá o seu cultivo e produção.

Primeiramente fomos visitar a caverna de Drogarati (aberta das 09:00 às 17:00 – entrada 5 euros) que está a 3 km de Sami a uma profundidade de 95 metros onde a temperatura gira em torno de 18ºC. Esta caverna é considerada uma das mais bonitas da Grécia e é a única dotada de uma ampla sala onde são realizados concertos clássicos com intérpretes como Irini Karaghianni. Lá dentro a natureza criou uma escultura única de estalactites e estalagmites no decorrer de milhares de anos e os visitantes podem chegar bem pertinho desta obra através de passarelas muito seguras com corrimão e tapetes no chão para não escorregar. O centro de visitantes da caverna do lado externo ainda dispõe de uma cafeteria, uma loja de souveniers e uma piscina que pode ser utilizada pelos visitantes para descansar depois da visita.

Salão principal da caverna onde os concertos são realizados.

Salão principal da caverna onde os concertos são realizados.

Depois de visitar Drogarati seguimos para a Caverna Melissani que fica a 2km de Sami (aberta das 09:00-17:45 – entrada 7 euros) e é formada por um lago de 39 metros de profundidade e uma caverna a céu aberto. Este lago é formado pelas águas que brotam da terra e que atravessam cerca de 17km desde Katavrothes (aquela dos moinhos que falei anteriormente). Ao entrar na caverna é possível fazer um passeio de barco pela lagoa e admirar a coloração da água que mudam de cor dependendo da incidência da luz do sol que passa pela fenda da caverna.

Passeio de barco pelo lago da caverna.

Passeio de barco pelo lago da caverna.

Lago Melissani.

Lago Melissani.

E para finalizar o dia de passeio pela ilha nada melhor que uma paradinha em uma vinícola local para aprender um pouco como o vinho é produzido e é claro: degustar os diversos sabores e aromas do Robola.

Cooperativa de vinho Robola

Cooperativa de vinho Robola

Vinhos Robola para provar e vender.

Vinhos Robola para provar e vender.

E depois de ter ainda um dia inteiro para visitar a ilha de Zakinthos que fica a 1h de ferry de Pessada, era chegada a hora de me despedir deste pedacinho de paraíso, mas não sem antes experimentar o café grego preparado pela Kelly a simpática recepcionista do Blue Paradise que fez questão de me oferecer o café-da-manhã no dia da partida e me fez chorar de emoção em ter que deixar a ilha, o sol e aquele azul do mar que eu tanto quero bem…

Ευχαριστώ πολύ (muito obrigado)

Vista aérea de Cefalonia.

Vista aérea de Cefalonia.

Como Chegar: há opções de voos de muitas cidades europeias diretamente para Cefalônia ou desde a capital Atenas, assim como ferrys que partem do porto de Kilini no continente diretamente para Argostoli.

Onde Ficar: para quem quer ficar próximo aos grandes centros e facilidades da ilha a melhor opção certamente são os hotéis em Argostoli e Lassi, ambos a poucos quilômetros do aeroporto e muito bem conectadas com as outras partes da ilha.

O que comer: o que não faltam são opções de restaurantes e cardápios nesta ilha mediterrânea de produtos frescos e saborosos. Eu particularmente indico o restaurante Kalafatis que fica à beira mar em Argostoli a poucos metros do porto e tem uma vista espetacular para a baía de onde surgem de vez em quando enormes tartarugas marinhas bem ao lado das mesas. Outra dica é reservar ao menos um dia para almoçar ou jantar no restaurante Vinaries que fica a cerca de 1km de Argostoli na Farani Road com uma vista espetacular do mar e um cardápio sensacional. Além disso não deixe de ver um espetáculo de sirtaki às quartas-feiras na Taverna Sirtaki em Lassi e se tiver um tempinho experimente uma torta de chocolate na cafeteria Chocolatata no centro de Argostoli.

Post Relacionado: Conheça a mais linda praia da Grécia em Zakinthos

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s