O campo de concentração de Dachau


Um belo dia de sol em Munique e eu com os meus dias contados para voltar ao Brasil não poderia deixar de visitar um dos lugares mais temidos no passado aqui na Alemanha: O Campo de Concentração de Dachau.

Localizada a cerca de 20 minutos do centro de Munique, Dachau é célebre não só por ter sido um dos maiores campos de concentração nazis, mas também por ter sido o primeiro a ser construído no regime hitleriano em março de 1933, três meses após a ascensão de Hitler ao poder .

O campo foi instalado em uma antiga fábrica de munições da Primeira Guerra Mundial com o intuito de abrigar os prisioneiros contrários ao partido de Hitler e a princípio foi designado para abrigar 6.000 prisioneiros, porém chegou a abrigar 32.000 pessoas, as quais ao longo dos anos sofreram os mais variados tipos de tortura e sofrimento atrás das cercas de arame que impediam-nas de ver o mundo exterior.

Os prisioneiros eram obrigados a realizar trabalhos árduos e não tinham sequer um dia de descanso, além disso todas as manhãs e ao entardecer tinham que participar de uma chamada para contagem dos prisioneiros, fosse o tempo ou a temperatura que fosse permaneciam em pé durante uma hora. Muitas vezes os corpos dos mortos ao longo dia eram expostos no chão para a contagem. Caso essa contagem não batesse com o número oficial de prisioneiros  – por exemplo após uma tentativa de fuga – a tortura poderia durar várias horas. Isso sem contar os prisioneiros que sentiam-se mal e fracos durante a contagem e acabavam desmaiando e ninguém podia ajudá-los, ou aqueles que eram punidos em frente aos demais.

Logo no portão de entrada do campo de concentração de Dachau encontramos a inscrição ARBEIT MACHT FREI (o trabalho liberta), o que na época foi uma grande encenação aos meios de comunicação e representantes mundiais que em visitas ao campo tinham a impressão de que os prisioneiros eram bem tratados e estavam ali para trabalhar e conseguir sua liberdade, o que na verdade não passava de uma grande farsa.

Em sua carta de agradecimento após a vista a Dachau em 1938, o então membro do Comitê Internacional da Cruz Vermelha Guillaume Favre citou: “Eu gostaria de salientar que tudo o que eu vi e ouvi, além das condições de vida, do material e da higiene do campo, incluindo o tratamento, o cuidado e o trabalho dos prisioneiros, causou em mim uma impressão positiva.”

Obviamente essa impressão era apenas uma manipulação, pois o campo de Dachau servia de exemplo para os demais campos alemães. Ali existiam centros médicos e odontológicos que na verdade não tinham o intuito de ajudar aos prisioneiros doentes, mas sim extrair seus dentes de ouro e/ou a pratica de experiências médicas como a pesquisa da cura da malária, o efeito da pressão atmosférica em pilotos de caça, as características do corpo em imersão em águas gélidas e profundas…o que levou à morte milhares de prisioneiros.

Certamente a higiene era algo impressionante, pois os prisioneiros eram obrigados a limpar seus barracões e arrumar suas camas de tal maneira que não tivesse um amarrotado nos lençóis, sem contar a limpeza dos pratos que tinham que ficar brilhando no final das refeições. Caso isso não acontecesse os prisioneiros eram torturados, muitas vezes até a morte.

Um dos métodos mais utilizados para a tortura era o chicote, uma dose de 25 chicotadas que deviam ser contadas pelo prisioneiro no idioma alemão (ele sabendo ou não o idioma) e caso ele deixasse de contar o castigo poderia durar muito mais do que o previsto e levá-lo a morte.

Ao contrario do que muitos pensam, o campo de concentração na sua fase inicial foi abrigo majoritariamente de prisioneiros políticos e contava na época com um pequeno número de judeus. Somente a partir de 1935 o campo passou a receber emigrantes, testemunhas de Jeová, homossexuais e criminosos profissionais. Após a anexação da Áustria em abril de 1938, diversos oponentes ao nazismo, judeus e ciganos passaram também a ser trazidos para Dachau.

O Campo de Dachau possuía vários barracões onde os prisioneiros dormiam em beliches de 3 andares, cada um com seu armário numerado onde guardavam seus utensílios como pratos e suas roupas (os uniformes listrados do campo) e partilhavam os banheiros coletivos.

O campo era protegido com cercas eletrificadas e uma trincheira delimitava o espaço até onde os prisioneiros poderiam aproximar-se. Muitos deles desesperados ou mesmo cansados de tanto sofrimento acabavam aproximando-se e eram mortos a tiros pelos homens do SS – Schutzstaffel (tropa de proteção) que vigiavam o campo.

A parte mais triste da visita a Dachau certamente é o crematório onde milhares de pessoas foram incineradas e mortas nas câmaras de gás.

O antigo crematório, construído em 1940 após o aumento da mortalidade no campo de Dachau, funcionou até o ano de 1943 e neste período cerca de 11.000 prisioneiros foram cremados. Porém nas instalações do novo crematório surgiu a amedrontadora câmara de gás, uma construção despretensiosa que aos olhos dos prisioneiros deveria parecer somente o local onde eles tomariam o banho semanal. Ao chegar a esse local os prisioneiros eram levados a uma sala de desinfecção onde deixavam suas roupas, passando então para a câmara de gás onde eles pensavam que iriam tomar banho, pois o local foi construído com mangueiras para camuflar o seu verdadeiro objetivo. Após serem mortos na câmara, os prisioneiros eram empilhados na sala seguinte e depois cremados nos fornos com capacidade para até dois corpos por vez.

Os prisioneiros que sobreviveram aos horrores deste campo de concentração foram libertados em 1945 pelos americanos, no entanto, além dos habituais problemas de desnutrição e dificuldades de encontrar parentes e amigos em seus países de origem, havia uma epidemia de febre tifoide entre eles e mesmo após a libertação, milhares deles continuaram vivendo ali, pois não tinham mais para onde regressar, assim sendo, Dachau tornou-se um campo de refugiados entre os anos 1948 e 1960.

Hoje o Memorial de Dachau mostra ao mundo a história destes milhares de prisioneiros que sofreram um ato desumano e cruel e com isso pretende homenagear os mortos com essa lembrança viva e com a esperança de que esses atos não voltem a se repetir jamais entre os seres humanos.

Der toten zur Ehr den Lebenden zur Mahnung (uma lembrança viva para homenagear os mortos)

COMO CHEGAR EM DACHAU: desde Munique basta pegar o trem S2 até a estação de Dachau, depois o ônibus 726 que para na porta do Memorial que abre das 09:00 às 17:00 (exceto segundas-feiras) e tem entrada franca. O Bayern ticket XXL custa 7,50 euros, pode ser comprado diretamente nas máquinas automáticas das estações e vale o dia inteiro.

Quer receber mais dicas de viagem?

Então curta nossa página no Facebook.

Siga o @turisnews no Twitter.

Não seja egoísta, compartilhe com seus amigos!

Anúncios

12 Respostas para “O campo de concentração de Dachau

  1. vai aqui todo meu respeito à memória de todos que ai pereceram judeus, homossexuais, ciganos e doentes mentais.e tb minha indignação ao comportamento de pessoas que se diziam ser de uma raça superior e provaram através de sua ignorância e estúpidez toda a demência do poder…….SHALON.

    • Eu estive em Dachau,e fiquei emocionalmente abalada com tanta crueldade,onde pude vê com meus olhos lista de mortos:Alemaes,ciganos,judeus,espanhoes,e estrangeiros,você sente uma trsiteza presente.
      Nunca imagino a humanidade passar por aquilo outra vez.

  2. Leia sobre o revisionismo histórico, existem muitos pesquisadores sérios, muitos judeus, que afirmam que não existiram câmaras de gás em campos de concentração na segunda guerra.

    Aliás, texto muito bem redigido, parabéns. Só acredito que a fonte oficial ainda é muito obscura para essas afirmações.

    • Exatamente.As pessoas se esquecem que a história é contada pelos vencedores, e por isso está sujeita a manipulação. Já li muitos artigos dos revisionistas e não tenho dúvida que a 2ºGM como nos é contada é a maior farsa do séc XXI

  3. Não tenho nada contra a defesa dos judeus, mas, não devemos esquecer que no mundo atual tivemos dezenas de campos de concentração e milhares foram executados, como o japão fez na china, como os eua faz no afeganistão , iraque e outros países. O que devemos é nos precaver. Nós brasileiros estamos nos deixando levar sem dar conta que temos família e devemos proteger nossos filhos, ninguém defende as forças armadas, ninguém esta preocupado com uma invasão de nosso país por qualquer outra nação por uma coisa que temos em abundância que é a água. Deixemos de ser otários e passemos a defender nosso país a todo o momento, não só na copa do mundo, pois não vivemos de copa e sim de comida, água, moradia, segurança e outros itens. Nossa Presidente,não está colocando o país a par de tudo que acontece.Fiquem atentos aos acontecimentos.

  4. Estarei viajando à Suíça (Genebra) a passeio em casa de amigos e gostaria de visitar um ex-campo de concentração. Pelo que vi nos mapas, o de Dachau parece ser o mais próximo. Alguem tem alguma dica adicional???

  5. Pingback: A polêmica do café nazi | Cantinho da Viagem·

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s