Curitiba: Lar doce Lar


Para esta que vos escreve talvez esta seja uma das cidades mais lindas do mundo, no entanto não deixe-se levar pelas minhas impressões pessoais, afinal de contas a cerca de dez anos adotei Curitiba como minha casa e mesmo o frio, que para muitos pode ser motivo de cautela ao escolher um destino, a mim causa uma sensação de introspecção e alegria que talvez nem possa ser transmitida em palavras.

Posso até ser uma viajante e passar meses navegando pelos sete mares, no entanto não há nada melhor do que respirar os ares e sentir-se acolhida pelo lar doce lar de Curitiba.

Desta forma, vou falar da minha cidade com os olhos de uma autóctone que aproveita da melhor maneira possível tudo aquilo que ela oferece; a começar pelos parques, a qualidade de vida e a infraestrutura desta, fundada em 1693 a partir de um povoado bandeirante, que abrigou ao longo dos anos uma grande quantidade de imigrantes vindos de diversos países do mundo e que hoje é apontada como uma das cidades mais “esperta” do mundo, devido a preocupação dos seus habitantes com a qualidade de vida, as práticas de sustentabilidade, a infraestrutura urbana e a sua economia dinâmica.

Até mesmo para os recém chegados fica evidente a diversidade cultural nos diversos memoriais e parques dedicados aos povos que fazem parte da história e da construção da cidade.

Jardim Botânico: construído segundo o modelo da arquitetura francesa, esta estufa gigante que abriga plantas e vegetais tropicais é considerada o cartão postal da cidade. Já na entrada do jardim é possível entender o sentido da palavra hospitalidade: a estátua de uma mãe com seu filho nos braços em um momento de ternura traduz a alma da cidade que dá as boas vindas e acolhe seus filhos e imigrantes.

Parque Barigui: uma área verde com vista privilegiada, reduto de animais como o famoso jacaré do parque, as capivaras e pássaros da região. Não é a toa que os curitibanos escolherem o Barigui como ponto de encontro e área de lazer para toda a família. O termo barigui tem origem indígena e pode ser traduzido como rio do fruto espinhoso, referindo-se as pinhas que caem dos muitos pinheiros do local.

Parque Tanguá: um antigo complexo de pedreiras desativado deu origem a um parque surpreendente com diversas áreas verdes e um lago artificial que pode ser visitado de barco ou a pé.

Memorial Árabe: construído em homenagem a comunidade árabe local, o memorial, localizado na Praça Gibran Kalil Gibran, é uma espécie de colagem do estilo arquitetônico das edificações mouras, lembradas no prédio por elementos como a abóbada, as colunas, os arcos e os vitrais. Situado sobre um espelho d´agua, tem o formato de um cubo e, em seu interior, funciona um café, uma biblioteca – com capacidade para 10.000 volumes – e uma pinacoteca, sendo o acervo de ambas constituído por obras de autores, cujo tema é essencialmente a cultura árabe.

Praça da Espanha: em mais uma homenagem aos imigrantes, desta vez os espanhóis foram agraciados com uma praça com seu estilo bem cultural; ali encontra-se o Farol do Saber Miguel de Cervantes, uma espécie de biblioteca pública com diversos títulos disponíveis aos leitores ávidos. Aos Sábados a praça vira palco da tradicional feirinha de antiguidades e como não podia deixar de ser, logo ali em frente encontra-se o Restaurante Pata Negra com sua culinária típica espanhola… y que aprovechen!!!

Bairro de Santa Felicidade: Basta passar por um portal e já é possivel sentir o clima e o cheirinho das cantinas deste bairro de imigrantes italiano, que ali chegaram por volta de 1875, e até hoje conservam sua arquitetura e principalmente os seus costumes de mangiare bene. Um dos restaurantes mais conhecidos de Santa Felicidade certamente é o Madalosso que serve um verdadeiro banquete all’italiana.

Parque Tingui: em uma área de cerca de 46 mil metros quadrados de área verde encontra-se o Memorial da Imigração Polonesa com a réplica de uma igreja Ucraniana. Inaugurado em 1980, após a visita do Papa João Paulo II na cidade, o parque é uma homenagem aos imigrantes que influenciaram profundamente a agricultura local.

Bosque do Alemão: inaugurado em 1996 e dedicado aos imigrantes alemãs, o bosque é um dos poucos lugares que permitem um passeio com sabor de infância, isso porque dentro dele há uma trilha que reproduz o famoso conto dos irmãos Grimm: Joãzinho e Maria.  Nos cerca de 38 mil metros quadrados de área verde há também uma igreja com detalhes neogóticos e uma sala de concertos em homenagem ao compositor alemão Bach.  Do alto de uma torre panorâmica de madeira também é possível ter uma vista deslumbrante da cidade. Ao final do passeio, para repor as energias, não resista a uma verdadeira casa de chocolates que serve um delicioso Pão de Mel e o típico Strudel de Maçã. Guten Appetit!!!

Praça do Japão: em meio aos arranha céus da cidade, surge um templo e uma praça com cerca de 30 cerejeiras em meio aos pequenos lagos em estilo japonês; tudo isso construído em honra as crianças daquele pais distante que dedicam-se a agricultura. Uma homenagem mais que merecida aos cerca de 40 mil japoneses e seus descendentes que vivem na cidade.

Passeio Público – o parque mais central da cidade foi inaugurado em 1886, com uma área de 69.285 metros quadrados. Seus portões principais são uma cópia fiel do Portão do Cemitério de Cães de Paris. Conta com 35 pontos de atração que vão desde as ilhas dos Macacos, das Garças, dos Amores e da Ilusão até o aquário, o viveiro da cascata, a Gruta dos Amores, a ponte pênsil, o palco flutuante e as gaiolas com pássaros das mais variadas espécies.

Shopping Estação: poderia ser mais um Shopping Center de uma grande capital, no entanto a antiga estação de trens tornou-se um atrativo de peso com exposições, teatro e atualmente abriga o Centro de Convenções Estação Embratel que recebe milhares de eventos nacionais e internacionais ao longo do ano.

Museu do Olho: o famoso arquiteto brasileiro Oscar Niemayer deixou sua marca registrada na construção deste museu que abriga coleções e exposições de arte nacionais e internacionais.

Ópera de Arame: considerada um dos símbolos da cidade, esta estrutura tubular com teto transparente e capacidade para 1648 pessoas acolhe espetáculos do popular ao clássico e já foi palco da festa dos 300 anos da cidade com a presença do tenor catalão José Carreras e a Orquestra Sinfônica Brasileira.

A cultura faz parte da alma de Curitiba, e não é a toa que a cidade realiza um dos mais famosos Festivais de Teatro do Brasil que ocorre entre os meses de março e abril e atrai milhares de visitantes e artistas.

No entanto não há nada mais característico desta cidade do que os pinheiros aráucaria que dão um charme todo especial ao amanhecer e entardecer desta cidade cosmopolita e acolhedora.

Minhas Dicas Pessoais do que fazer para aproveitar ao máximo Curitiba:

–        Passear pela Rua das Flores no centro da cidade;

–        Experimentar a Empadinha de Frango e Chocolate Quente do Café Metropolis;

–        Comer a batata frita com cebolinha verde e beber o famoso submarino (caneca de chopp com Steinheger) no Bar do Alemão do Largo da Ordem;

–        Comer o Pão de Mel no Bosque do Alemão;

–        Ver a cidade do alto da Torre das Comunicações no Bairro das Mercês;

–        Fazer uma caminhada de Domingo no Parque Barigui;

–        Sentar na grama da Praça do Japão;

–        Aproveitar uma noite de segunda-feira no Sheridans Pub ao som de U2 cover.

–        Visitar a Catedral Metropolitana construída em estilo Neoclássico francês.

– Visitar a cidade e gastar muito pouco hospedando-se no Curitiba Eco Hostel, um albergue que conta com bosque e riacho e tem diárias a partir de R$ 35,00.

Quer receber mais dicas de viagem?

Então curta nossa página no Facebook.

Siga o @turisnews no Twitter.

Não seja egoísta, compartilhe com seus amigos!

Anúncios

2 Respostas para “Curitiba: Lar doce Lar

  1. Oi Claudinha!!! Depois de ler o que você descreve sobre Curitiba, minha vontade aumentou ainda mais para conhecer esta cidade que chama de lar. Não imaginava como poderia ser possível descrever de forma tão agradável um lugar. Acho que o mundo das equações ofuscou a minha visão para enxergar a beleza da natureza em outras formas. Espero um dia conhecer Curitiba, o mais breve possível!

  2. Pingback: Festival de Teatro de Curitiba | VIAGENS PELO MUNDO·

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s