Reciclar em turismo: hotéis em faróis e moinhos


Um dos conceitos mais utilizados e difundidos em turismo nos últimos tempos certamente tem sido a sustentabilidade. As empresas de turismo atuam em um mercado extremamente competitivo onde a globalização, ao mesmo tempo que cria novas oportunidades de mercado, proporciona ao consumidor a escolha de diversos produtos e serviços que atendam suas necessidades e desejos.

Neste mercado globalizado, o turismo sustentável surgiu como uma alternativa para proteger e regenerar locais antes abandonados, aumentando assim as opções de lazer e entretenimento e transformando-os em espaços temáticos dedicados aos visitantes. Este turismo não se concentra somente em um monumento ou um museu, mas em uma fragmentação do espaço em diversos núcleos repletos de contrastes e versões.

Neste sentido, os atrativos movem-se em direção ao virtual e à hiperrealidade onde tudo é reformulado de acordo com identidades históricas existentes ou construídas, influenciadas muitas vezes por vontades e fatores políticos, sociais e ambientais de uma determinada região.

Um bom exemplo deste fenômeno pode ser visto em Londres na Inglaterra onde podemos encontrar atrativos fragmentados de acordo com fatores culturais e arquitetônicos de cada região, como é o caso do bairro Soho com sua vida noturna do turismo médio-baixo, de South Bank próximo à Tate Modern uma proposta para a nova classe criativa, o Hyde Park com um memorial dedicado à princesa Diana, além de outros pontos da cidade que sofreram um processo de “estetização” e “museificação” do seu espaço urbano.

Outro exemplo típico deste processo pode ser visto na cidade de Buenos Aires, onde os bairros podem ser fragmentados em núcleos de interesse comum como: o Caminito com suas construções portuárias coloridas, o bairro de San Telmo onde nasceu o Tango, Puerto Madero com seus restaurantes a beira do Rio de La Plata, além dos concorridos bairros de compras característicos da cidade.

Muitos outros países tem adotado este processo, reestruturando seus espaços para atrair um publico cada vez maior e disposto a consumir um produto diferenciado. Exemplo disso é o que aconteceu com os antigos moinhos de vento e faróis que passaram por um processo de estetização, transformando-se em hotéis exclusivos em países como: Inglaterra, Estados Unidos, Croácia e Portugal. 

Esta readaptação dos espaços pode ser vista também em antigos palácios e construções que estão sendo transformados em restaurantes, hotéis e resorts de luxo em diversas cidades do mundo. Estes lugares adquirem gradualmente a característica de espaços temáticos onde os visitantes vivem uma experiência simulativa única e contribuem para a sustentabilidade dos espaços antes abandonados.

Se você ficou interessado em conhecer um pouco mais sobre os hotéis em moinhos e faróis segue uma lista com os principais endereços destes espacos temáticos:

HOTEIS EM FAROIS

Europa

Outros lugares no mundo

HOTEIS EM MOINHOS

Europa

Outros lugares do mundo

Anúncios

Uma resposta para “Reciclar em turismo: hotéis em faróis e moinhos

  1. Nesta onde de reciclagem temos também o hotel Jumbo na Suécia. O avião está posicionado na entrada do aeroporto internacional de Arlanda, em Estocolmotem, tem 25 quartos e uma suíte de luxo com vista para o aeroporto. Sensacional!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s